Pr. Dile Félix : Quando a alma continua pequena

Pr. Dile Félix : Quando a alma continua pequena

 

Admiravelmente algumas pessoas não querem crescer. Ouvem, ouvem a Palavra de Deus, mas não movem um milímetro, se quer, na direção da vontade do Senhor. Sinto-me perplexo ao ver “crente” deixar de cumprimentar irmãos porque, em algum momento, foi ofendido, preterido, esquecido, magoado, desprezado, enganado, ferido na alma. Isso tudo parece ser motivo suficiente para alguém sentir-se cheio de razões para desprezar, ignorar outrem. Mas digo com convicção; NÃO É. Responder a ofensa recebida com outra ofensa é coisa pra gente nanica na fé. É coisa pra gente que ainda não amadureceu. Os cabelos já não são da mesma cor, a pele perdeu parte da sua maciez, mas o amadurecimento ainda não chegou.

       Imagine se Jesus desse-nos aquilo que merecemos. Eu não estaria desfrutando da sua companhia jamais. Minha salvação? Nem pensar. Jesus é exemplo daquilo que devemos praticar. Ele perdoa as nossas ofensas diariamente. Ele se deu a morte pela nossa vida. Ele não se recusa a nos abençoar mesmo quando fugimos das responsabilidades de cristão. Ele persevera em nos amar, mesmo não merecendo o seu amor. Pergunto – Está certo a gente dar ao outro aquilo que supomos merecer por algo que tenha nos feito? Claro que não!

 O apóstolo Paulo nos dá, da parte de Deus, um ensino maravilhoso: “Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” (Romanos 12.17,18).

            Quando a alma continua pequena, é difícil perdoar, ofertarmos nova oportunidade, começar de novo, continuar amando. É tempo de crescer. É tempo de superar a meninice emocional, espiritual. Deus espera grandeza de seus filhos e filhas. Não se pode aplacar o ódio, a vingança, a amargura, o ressentimento, sem olhar para nós mesmos e enxergar o quanto somos devedores ao eterno. Deixemos de lado tudo que possa nos aprisionar a pequenez da alma. Perdoados por Deus, capacitados a superar o ressentimento. Cresçamos

share

Você também gostará de ver isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *